Heidegger – sobre ser filósofo e o cuidado com as palavras

Como atenção ao apelo que o ser faz ao homem, a “filosofia” é primordialmente o cuidado do ser e nunca uma questão de “cultura” e conhecimento. Por isso é que alguém pode dispor de uma grande soma de conhecimentos eruditos sobre as doutrinas filosóficas e opiniões dos filósofos sem nunca ser “filósofo”, sem saber “filosofar”. Outros, por sua vez, podem ser tocados pelo apelo do ser, sem saber o que é nem responder ao apelo do ser em um e através de um pensamento correspondente.

Ao pensamento que pensa, pertence, sem dúvida, um saber e um cuidado com o sentido da reflexão e um esmero da palavra que sobrepuja essencialmente todas as exigências de mera exatidão científica.

Heidegger, GA54 Continuar lendo

Anúncios

Heidegger – pensar no seu tempo e espaço

Por outro lado, qualquer pessoa pode seguir os caminhos da reflexão à sua maneira e dentro dos seus limites. Porquê? Porque o Homem é o ser (Wesen) que pensa, ou seja, que medita (sinnende). Não precisamos portanto, de modo algum, de nos elevarmos às «regiões superiores» quando refletimos. Basta demorarmo-nos (verweilen) junto do que está perto e meditarmos sobre o que está mais próximo: aquilo que diz respeito a cada um de nós, aqui e agora; aqui, neste pedaço de terra natal; agora, na presente hora universal.

Heidegger, GA16 (p. 11-14) Continuar lendo

Heidegger – êthos, a morada do homem

Por oposição à “física”, que pensa o ente na sua totalidade, a “ética” se concentra num ente específico, o homem. Só que o homem não é considerado como um pedaço dos entes na totalidade, recortado dos demais entes. É considerado na perspectiva de ser o ente, e o único ente, que se atém aos entes na sua totalidade, que se relaciona com os entes em sua totalidade e, assim, consigo mesmo, ou seja, cujo comportamento se cumpre e planta a cada vez a partir de uma postura ou impostura, tò êthos é a postura, o porte do comportamento do homem frente à totalidade dos entes.

Heidegger, “Heráclito” Continuar lendo

Heidegger – a filosofia não tem utilidade

Philosophy is essentially untimely because it is one of those few things whose fate it remains never to be able to find a direct resonance in their own time, and never to be permitted to find such a resonance. Whenever this seemingly does take place, whenever a philosophy becomes fashion, either there is no actual philosophy or else philosophy is misinterpreted and, according to some intentions alien to it, misused for the needs of the day.

 

Heidegger, Introduction to Metaphysics, p.9 Continuar lendo

Heidegger – o “saber” essencial é diferente da ciência

O “saber” essencial não domina sobre o que lhe é dado saber, mas é tocado por ele. Por exemplo, só para tomar um caso entre outros, cada “ciência” é um conhecimento de dominação, um sobrepujar e um ultrapassar, quando não simplesmente um passar por cima do ente. Isso se realiza no modo da objetivação. Em contrapartida, o saber essencial, a atenção, é um retroceder diante do ser. Num tal retroceder vemos e percebemos essencialmente mais, ou seja, algo totalmente diferente do produto do procedimento notável da ciência moderna. Pois esta última é sempre um assalto técnico ao ente e uma intervenção tendo em vista uma “orientação” ativa, “produtiva”, operosa e comercial.

Heidegger, Parmênides

Denise Quintão – o homem é um ser do mundo

O homem é o único ser que, para existir, tem de conquistar sua própria existência, pois o existir humano não se dá num simples viver e morrer. Para o homem, a morte, assim como a vida, é sempre uma conquista. Pobre de mundo, o animal simplesmente morre, não espera pela morte, nem teme a morte, e por isso mesmo não procura superar a morte. Mas o homem é um ser do mundo, e por isso morre determinado pela conquista de sua própria existência, um empenho de superação da morte. A vida humana é mais do que sinais vitais; é sentido. Não há nada no homem que seja puramente animal. A animalidade no homem é absorvida e transformada pela sua humanidade.

Denise Quintão, “Ética e Responsabilidade na Vida”