Heidegger – o Dasein não “têm” propriedades, estas são apenas modos de “ser”

Heidegger descarta qualquer denominação do homem enquanto ser “racional”. Dizer que o homem é um “animal racional” é colocá-lo no mesmo nível de um ser-simplesmente-dado (present-at-hand: uma árvore, uma mesa, uma casa), pois atribuí-se uma “propriedade” ao Dasein. “Coisas” cujo “modo” de ser é simplesmente-dado precisam, para ser algo existente, de um “o-que”. Já o Dasein, enquanto única entidade cujo “ser” é uma questão, não.

“The essence of Dasein lies in its existence. Accordingly those characteristics which can be exhibited in this entity are not ‘properties’ present-at-hand of some entity which ‘looks’ so and so and is itself present-at-hand; they are in each case possible ways for it to be, and no more than that. All the Being-as-it-is [So-sein] which this entity possesses is primarily Being. So when we designate this entity with the term ‘Dasein’, we are expressing not its “what” (as if it were a table, house or tree) but its Being.”

Heidegger, “Being and time” (SZ, 42)